9. O Islam considera primordial a liberdade de religião e de consciência

June 22, 2013 in A Última Religião Divina ISLAM

Enquanto Deus Todo-Poderoso tem mostrado o certo e o errado para toda a humanidade a qual ele criou consciente e livre, Ele nunca interferiu em seu livre-arbítrio. Todos irão escolher com o poder de seu livre-arbítrio e terão que arcar com as conseqüências de suas escolhas. Os nobres versículos do Quran atestam:

(meu Mensageiro) Porém, se teu Senhor tivesse querido, aqueles que estão na terra teriam acreditado unanimamente. Poderias (ó Muhammed) compelir os humanos a que fossem crentes?” (Yunus (Jonas) 10:99)

“que creia quem desejar, e descreia quem quiser.” (Al Kahf (A Caverna) 18:29)

“Se desagradecerdes (sabei que) certamente Allah pode prescindir de vós, e não Lhe agrada a ingratidão dos Seus servos; em troca, se agradecerdes, isso Lhe aprazerá.” (Az-Zumar (Os Grupos) 39:7)

No tempo da ignorância, mulheres que tinham tido filhos com graves doenças na infância, costumavam fazer a seguinte promessa para Deus: “Se o meu filho sobreviver, vou fazer dele um judeu.” Por esta razão, quando a tribo judaica de Banu Nadir estava sendo exilada da cidade de Medina por terem violado o seu acordo com o nosso mestre, o Profeta (s.a.a.s) haviam entre eles os filhos judaizados de alguns novos muçulmanos. Os parentes muçulmanos dessas crianças disseram: “Não vamos abandonar nossos filhos (Iremos segura-los pela força e obrigaremo-los a tornarem-se muçulmanos).” Como resultado, Deus Todo-Poderoso revelou o seguinte versículo: “Não há compulsão na religião.”[1]

O Islam não pretende se impor para as pessoas pela força. Por esta razão, ele evita todas as formas de imposição. Ele ainda mantém-se longe da coerção intelectual. Milagres, por exemplo, não tem sido um dos principais meios de disseminação do Islam. Pedidos de milagres com base nos fenômenos maravilhosos que ocorreram nas mãos do Profeta (s.a.a.s) não foram bem vindos. Como o Islam coincidiu com uma é em que a humanidade amadureceu, ele falou com o intelecto e com a mente através do milagre verbal que é o Quran. Este ligou a humanidade consigo mesma por meio de regras racionais e provas convincentes. Por esta razão o Islam nunca usou a força física como um meio.

O famoso historiador inglês Philip Marshall Brown escreveu “Mesmo eles tendo conquistado grandes vitórias, os turcos graciosamente concederam aos povos dos países conquistados o direito de se auto-administrar de acordo com os seus próprios costumes e tradições.”

Quando Napoleão Bonaparte atacou o Império Otomano durante os anos de 1798-1799 ele queria que os armênios que viviam na Palestina e na Síria se rebelassem. O embaixador da França em Istambul, Sebastiani, respondeu-lhe: “Os armênios são tão satisfeitos com suas vidas aqui que é impossível manipulá-los para se rebelarem.”[2]



[1].      Al Baqara (The Cow), 2: 256. Abu Dawud, Jehad, 116/2682; Vâhidî, pp. 85-87.

 

[2].      Ver http//www.atmg.org/ArmenianProblem.html.