8. O Islam trata a todos os seres humanos com igualdade

June 22, 2013 in A Última Religião Divina ISLAM

No Islam a superioridade entre os seres humanos não é mensurada através de inevitáveis ou predeterminados traços como raça, cor ou origem nacional, mas pela sua proximidade com Deus Todo-Poderoso e sua piedade (taqwa), através do qual a humanidade obtém autocontrole e esforço. Da mesma forma, as coisas tais como a riqueza, beleza, força ou ascensão a uma determinada posição de poder não são meios de superioridade. Elas são bênçãos concedidas por Deus e o agradecimento por estas deve ser dado da melhor forma possível, cada benção merece agradecimentos na proporção destas.

As bênçãos dadas aos seres humanos nessa vida são como questões feitas para um aluno em uma prova. Um estudante nunca sente orgulho pelas perguntas que lhe são feitas, em vez disso, ele fica feliz com as notas que obteve como resultado de suas respostas a tais perguntas. Visto que as recompensas que os crentes recebem por usarem as oportunidades e as bênçãos são concedidas com o propósito de testá-lo que só será claramente compreendido na próxima vida, não há nada para nos gabarmos neste mundo. Esta concepção é um grande erro. Por isso, um dos grandes sábios do Islam, Abu Hazim, disse: “Qualquer recompensa que não nos faça mais próximos de Deus é um problema.”

Mesmo quando o Profeta (as bênçãos e paz estejam sobre ele) que foi enviado como misericórdia a todos os mundos, quando, certa vez, ele foi incumbido de anunciar as suas caracteristicas mais relevantes, o Profeta (s.a.a.s) declarou-as, repetindo a seguinte declaração  “Nunca se gabar” várias vezes.[1]

Aos olhos de Deus, um crente que está atento sobre seus deveres é superior aos que estão desatentos.[2] Nosso mestre, o Profeta (as bênçãos e paz estejam sobre ele) decretou, em seu sermão de despedida:

“Ó Povo! Fiquem atentos: Seu Senhor é Um, o seu pai (Adão) é um. Tenha cuidado! Não há nenhuma superioridade de um árabe para um não-árabe, nem de um não-árabe a um árabe, nem de alguém de pele vermelha para alguém de pele negra, nem de alguém de pele negra para o de pele vermelha. Estes podem ser superiores uns aos outros apenas na piedade.” (Ahmad bin Hanbal, V, 411)



[1].      Tirmizî, Menâkıb, 1/3616; Dârimî, Mukaddime, 8.

 

[2].      Al Hujurat (Os Aposentos), 49: 13.