5. O Islam incita a aprender a ciência, a sabedoria e a religião

June 22, 2013 in A Última Religião Divina ISLAM

Até hoje, não houve desentendimento ou conflito entre o Islam e a ciência. Não somente o Islam nunca proibiu a ciência ao longo de sua história, como pelo contrario, foi intensivamente encorajada fazendo com que fosse obrigatorio tanto para homens quanto para mulheres que buscassem o conhecimento. Por outro lado, as descobertas cientificas nunca refutaram as verdades que o Islam trouxe, muito pelo contrario, a ciência constantemente confirma seus ensinamentos como corretos. Então por que a ciência desaprova tais ensianemtos? As ciencias tentam desvendar as regras dos seres que Allah criou através da examinação. Islam é uma religião divina que foi revelada por Allah e que se manteve em sua forma original. Portanto, a fonte do Islam e da ciencia é a mesma.Como são feitas cada vez mais descobertas cientificas, a ciência se desenvolve e assim a Grandeza, o Poder e a Infinita Sabedoria de Deus se tornam mais conhecidas e a fé das pessoas em Deus se torna cada vez mais profunda. Por esta razão a ciência é uma parte inerente do Islam.

Muitos dos tradicionais Belos Nomes de Allah expressam que Deus é oniciente e como Ele sabe de todas as coisas quer estas sejam secretas ou não. Os servos de Allah não devem medir esforços para obter sua parcela dessa caracteristica divina que é o conhecimento. A muitos hadices e nobre versos do Quran que encorajam as pessoas a buscar o conhecimento. Allah o Mais Elevado disse:

“Dize: Ó Senhor meu, aumenta-me em sabedoria!” (Ta-Ha, 20:114)

“Allah dignificará  os crentes, dentres vós, assim como os sábios” (Al Mujadila (A Argumentação) 58:11)

Nosso mestre, o Mensageiro de Deus (s.a.a.s) disse:

Se alguém escolhe um caminho com o intuito de encontrar o conhecimento, Allah colocará essa pessoa em um dos caminhos do paraíso. Uma vez que os anjos estão satisfeitos com o que essa pessoa faz que eles estendem suas asas sobre ela. Tudo nos céus e na terra, inclusive os peixes embaixo d’água suplicam a Deus que Tenha misericórdia dos sábios. A superioridade dos sábios para com os adoradores é igual a superioridade da Lua Cheia para com as outras estrelas. Os sábios são os herdeiros dos Profetas. Profetas não legam ouro e prata, Eles legam o conhecimento. Quem assume essa herança toma para si uma grande recompensa.” (Abu Dawud, Conhecimento,1/3641; Tirmizi, Conhecimento, 19/2682. Ver Bukhari, Conhecimento,10; Ibn-i Majah, Muqaddimah, 17)

“Sabedoria é a propriedade perdida do crente: este é o seu maior privilégio, obte-la onde quer que ele esteja.” (Tirmizi, Conhecimento, 19/2687; Ibn-i Majah, Piedade, 15)

“A sede por conhecimento do crente nunca pode ser saciada até que se chegue ao ponto final, o paraíso” (Tirmizi, Conhecimento, 19/2686)

Por esta razão, muçulmanos incluíram as pesquisas cientificas como uma forma de adoração. Em 800 d.C. Ahmad en Nahawandi iniciou a observação astronômica. Posteriormente, ele construiu um grande observatório. Através do desenvolvimento do Astrolábio, eles mediram a altura astronômica do sol, estrelas e outros planetas, o tempo cósmico, a altura das montanhas e a profundidade dos poços. Como resultado de seus trabalhos, as constantes de efemerides foram revistas e novos catálogos de estrelas foram preparados. Muitas novas estrelas foram descobertas. O grau de inclinação da eclipitica fora medida novamente e o movimento do topo do sol foi observado e estava relacionada com as estrelas estáveis além de outras importantes descobertas que foram feitas, relacionadas aos movimentos dos planetas.

Muçulmanos usaram novos métodos de aplicação da matemática na astronomia. Em vez de “raios contínuos “que usavam em cálculos de trigonometria e foram capazes de obter medidas muito mais precisas. Eles chegaram a um estágio sem precedentes nas técnicas relacionadas com a medição dos movimentos dos planetas.[1]

Similarmente, muçulmanos fizeram inúmeras descobertas nas áreas de geologia, mineralogia, botânica, zoologia, matemática, física, química, medicina e farmacologia e deram importantes contribuições para o desenvolvimento das ciências. Ibn I Sina (980-1037) com suas descobertas em 29 diferentes áreas foi um importante erudito que pavimentou o caminho dos cientistas europeus. Seu livro de medicina chamado al Kanun fi’ttib (O Canône da Medicina) foi ensinado em universidades européias por 600 anos como compêndio. A primeira pessoa a mencionar as funções das camadas da retina nos olhos foi Ibn-i Rushud (1126-1198) o trabalho sobre os olhos Tazkiratu’l Kahhalin, escrito por Ali Ibn Sina (no século XI) permaneceu sobre o único compêndio sobre óptica por séculos e foi traduzido para o latim, alemão e francês. Ammar Bin Ali (século XI) realizou cirurgias oculares nove séculos atrás e explicou com detalhes como remover a catarata em seu livro Al Muntakhab fi Ilaji’ l ayn. Este livro também foi traduzido para diversas línguas européias na época. Ibn-i Haitham (Alhazen) (965-1051) um importante físico e fundador da ciência óptica inventou os óculos. Ali Ibn Abbâs (994) realizou cirurgias de câncer que prefiguraram as modernas técnicas cirúrgicas. A enciclopédia medica chamada Kitabu’l-Maliki é examinada com admiração ainda hoje. Ebu’l Kâsim ez-Zehrâvî (963-1013) fez da cirurgia uma disciplina acadêmica independente, desenhou a imagem de cerca de 200 ferramentas que são usadas em cirurgias e explicou por que e como elas são utilizadas em seu livro chamado Tasrif. A micro-circulação foi descoberta por Ibn al-Nafis que viveu entre 1210 e 1288 e explicou isto em datalhes em um comentário que ele escreveu sobre o livro de Ibn Sina chamado Kanun. Akshemseddin (1389-1459) disse o seguinte sobre os micróbios no seu livro Maddet al-Hayyat:

“É errado pensar que as doenças acontecem nas pessoas independentemente. Elas são contagiosas. Esta contaminação acontece devido à existência de seres vivos tão minúsculos que não podem ser vistos pelo olho humano.”

Hârizmî (780-850) que usou o número zero pela primeira vez na matemática estabeleceu os fundamentos da álgebra e os nomeou com o seu livro intitulado al-jabr wa-l-Muqabala. Ibn-i Musa (século IX) mediu a circunferência da terra com um erro de calculo muito pequeno. Beyrûnî (973-1051) que fez descobertas em varias disciplinas provou que a terra gira tanto em torno de si quanto do sol, e com sucesso mediu o diâmetro da terra através de uma pesquisa que ele conduziu em torno de uma cidade chamada Nendene, na Índia. Sua formula sobre este tema foi conhecida como “a formula de Beyrûnî na Europa. Battani (Albategni) calculou o ano solar com um erro de apenas 24 segundos. Ismail Jawhari (950-1010) foi o primeiro a tentar voar. Ibn-i Firnas foi pioneiro da aviação em 880. Ele permaneceu no ar por um longo tempo e aterrisou sem problemas com o avião que ele fez com penas de aves e de vestuário. Razi (864-925) mencionou a gravidade. Cristovão Colombo (1446-1506) disse que aprendeu sobre a existencia das Americas com os muçulmanos, especialmente com os livros de Ibn-i Rushud (1126-1198). Idrisi (1100-1166) desenhou mapas a oito séculos atrás que são identicos aos mapas-mundi de hoje.[2]

Ao longo da História, em muitos lugares  surgiram civilizações e todas elas ajudaram no desenvolvimento das ciências por influencias mutuas e empréstimos. Os muçulmanos também se beneficiaram do conhecimento de civilizações anteriores a eles. Eles expressaram isso com humildade e por sua vez deram importantes contribuições para o avanço das ciências. Os livros escritos por civilizações anteriores foram traduzidas por sábios muçulmanos, mas seus conteudos não foram tomados indiscriminadamente. Eles foram examinados primeiro e melhorados após as partes incorretas serem removidas.



[1].      Prof. Dr. Seyyid Hüseyin Nasr, Islamic Science (Islam ve Ilim), Istanbul 1989, pp. 113-134.

 

[2].      Para as fontes e os exemplos desses tópicos veja. Prof. Dr. Fuat Sezgin, Science et technique en Islam I-V, Frankfurt, 2004(Islam’da Bilim ve Teknik I-V, Ankara 2007) e seu outro livro; Prof. Dr. Seyyid Hüseyn Nasr, Islamic Science, An Illustrated Study, World of Islam Festival Pub. Co. Ltf.,England, 1976 (Islam ve Ilim, Istanbul 1989); Dr. Sigrid Hunke, Allahs Sone über dem Abendland-Unser ArabischenErbe, Germany 1960; Carra de Vaux, Les Penseursde l’Islam, Paris 1923; Avicenne, Paris 1900; Prof. Dr. Mehmet Bayraktar, Islâm’da Bilim ve Teknoloji Tarihi(The History of Science and Technology in Islam), Ankara 1985; Şaban Döğen, Muslüman Ilim Öncüleri Ansiklopedisi(The Encyclopedia of Muslim Pioneers of Science), Istanbul 1987; http://www.1001inventions.com.