e. O inesgotável amor que o Profeta suscitava

June 22, 2013 in A Última Religião Divina ISLAM

Nós muçulmanos amamos nosso Profeta mais do que a nossa própria vida. Quando os honoráveis Companheiros se reportavam ao Profeta, eles sempre diziam: “que o meu pai e a minha mãe sejam sacrificados por ti!”[1] Eles sacrificariam suas vidas mesmo que um simples espinho pudesse machucá-lo.

Certa vez em que os pagãos estavam a torturar até a morte Zayd Bin Dathina e Hubayb (Allah esteja satisfeito com eles) depois de capturá-los, cada um deles foi perguntado: “Em troca da sua vida, você gostaria que o seu Profeta estivesse em seu lugar?” Mas ambos responderam:

“Não somente eu nunca desejaria estar a salvo com os meus filhos e minha família em troca que meu Profeta estivesse aqui, mas meu coração não descansaria até mesmo se um espinho fosse machucá-lo onde ele está.” Com admiração e chocado em face deste amor incomparável, Abu Sufian disse:

“Eu nunca vi nesse mundo alguém amar mais o seu amigo do que o amor que os Companheiros de Muhammad tem por ele.”[2]

Nós também podemos testemunhar esta paixão e amor dos Companheiros pelo seu respeito e atenção com que sempre relataram os dizeres honrosos do Profeta. Quando os veneráveis Companheiros narravam um ditado do Profeta (que a paz e as bênçãos estejam com ele), com medo de dizer involuntariamente algo errado, seus joelhos se esquivavam e os seus rostos empalideceram. Amr bin Meymoon relatou:

“Eu nunca perdi as conversas que Ibn Masud realizava nas noites de quinta-feira. Nestas conversas, eu nunca ouvi dizer sobre qualquer assunto a seguinte expressão “O Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos estejam com ele) disse. No entanto, em uma dessas noites ele começou a dizer: ‘Nosso mestre o Mensageiro de Deus disse ‘então ele parou e abaixou a cabeça. Após algum tempo eu olhei para ele desabotoou a camisa, ele estava chorando e tinha as bochechas inchadas. Então ele completou suas palavras como da seguinte forma:

‘O Mensageiro de Allah (que a paz e as bênçãos estejam com ele) disse algo parecido ou semelhante a isso.’”[3]



[1].      Um antigo ditado árabe que expressa amor por alguém.

 

[2].      Vâkıdî, I, 360-362; Ibn-i Sa’d, II, 56.

 

[3].      Ibn-i Majah, Muqaddime, 3. Para ricos exemplos do ilimitado amor por nosso mestre, o Profeta ao longo de sua história ver Osman Nûri Topbaş, Faziletler Medeniyeti (Civilization of Virtues), I, 223-265; http://www.islamiyayinlar.net/content/view/148/8/